Laranja: desperdício zero

No post anterior tinha prometido contar o que faço às cascas das laranjas que consumimos de forma tão compulsiva. E se vos disser que as bebo, como, lavo a louça, limpo o forno e as prateleiras da cozinha?

Isso mesmo. Há tempos descobri o poder desengordurante das cascas dos citrinos. O que nem deveria ser novidade, uma vez que o detergente para a louça que uso, de marca branca de um hipermercado, é feito à base de citrinos. Ou pelo menos é isso que apregoa. Porque, apesar de ter o selo Ecolabel da União Europeia, não menciona os ingredientes utilizados e de citrinos verdadeiros pode ter só a cor.

Numa busca por detergentes naturais tropecei nesta ideia e fiquei tão entusiasmada que passei parte da tarde a limpar as superfícies mais hardcore que tinha na cozinha: o filtro do exaustor, a manteigueira, a porta do forno. E não é que passou o teste na perfeição?

Para simplicar:vai-se guardando as cascas de laranjas comidas durante 1 ou 2 dias (percebi que não adianta passar para além disso, porque as cascas ganham bolor muito depressa. Também aprendi que é melhor que sejam cascas de laranja mesmo, as de clementinas, por serem mais finas, secam num instante).

Num liquidificador ou com a varinha mágica, trituram-se as cascas da laranja com água q.b., até obter uma pasta granulosa. Deixa-se essa pasta a coar, utilizando um guardanapo de pano ou uma gaze, durante algumas horas ou de um dia para o outro. Em vez em quando, pode apertar-se para obter um líquido mais pastoso.Usa-se esse líquido resultante para desengordurar o que for necessário e/ou como detergente de louça.

Confesso que não é todos os dias – ou semanas – que tenho tempo ou vontade de fazer o detergente e lá volto ao habitual mas gosto cada vez mais da sensação de estar a usar um produto totalmente natural e, além disso, aproveitar um recurso que iria para o lixo.

Este domingo, como as laranjas tinham sido oferecidas por um amigo, resolvi levar o aproveitamento ao limite. Ao ver toda a casca triturada que sobrou, lembrei-me de a acrescentar não apenas à base da tarte que ia fazer mas também ao recheio, feito à base de frutas do verão e do outono que tinha congelado.

Com outro pedaço fiz um chá, simplesmente deitando água quente sobre a polpa. Só depois de me ter deliciado com o sabor descobri as propriedades anti-inflamatória, antioxidantes e digestivas da infusão.

No final do dia o resultado foi
Desperdício: zero. Utilizações: várias, úteis e saborosas.

Para dar outro uso às cascas de laranja não faltam mais ideias aqui.

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s